EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Decreto regulamenta mercado de carbono no país

Legislação também trata da emissão de gases de efeito estufa.

O governo federal publicou hoje (20) no Diário Oficial da União (DOU) um decreto para regulamentar as regras do mercado de baixo carbono no país. Ele estabelece procedimentos para a elaboração de planos setoriais de mitigação das mudanças climáticas para diversos setores da economia e também institui o Sistema Nacional de Redução de Emissões de Gases de Efeito Estufa. A medida atende a uma determinação da legislação ambiental.

Em vigor desde 2009, a legislação que instituiu a Política Nacional sobre Mudança do Clima diz que cabe ao governo editar norma com os procedimentos para os planos setoriais “visando a consolidação de uma economia de baixo consumo de carbono” para atender metas gradativas de redução de emissões de gases do efeito estufa em decorrência da atividade humana.

Essa política deverá ser aplicada – considerada a especificidade de cada setor – na geração e distribuição de energia elétrica, no transporte público urbano e nos sistemas modais de transporte interestadual de cargas e passageiros.

Além desses setores, ela também tem que ser feita na indústria de transformação e na de bens de consumo duráveis, nas indústrias químicas fina e de base, na indústria de papel e celulose, na mineração, na indústria da construção civil, nos serviços de saúde e na agropecuária.

CREDITOS DE CARBONO – uma estratégia conjunta com o ESG (ESG – é a sigla de Environmental, Social and Governance – ou, em português, ambiental, social e governança. Esses três aspectos formam os pilares de uma estratégia que tem feito muito sucesso em diversas empresas de todo o mundo.)

Emissão de gases

Segundo o decreto, caberá aos Ministérios do Meio Ambiente e da Economia o papel de propor esses planos com metas gradativas para a redução das emissões, mensuráveis e verificáveis, consideradas as especificidades dos agentes setoriais, levando em conta, dentre outros critérios, os níveis de emissão de gases.

O texto afirma que os setores envolvidos terão um prazo de 180 dias, a partir da publicação do decreto, para indicar “proposições para o estabelecimento de curvas de redução de emissões de gases de efeito estufa, considerado o objetivo de longo prazo de neutralidade climática”. O prazo poderá ser prorrogado igual período.

Ainda de acordo com o texto, os planos deverão ser aprovados por um comitê interministerial que trata da mudança do clima e do crescimento verde.

Já o Sistema Nacional de Redução de Emissões de Gases de Efeito Estufa (Sinare) tem por finalidade ser uma “central única de registro de emissões, remoções, reduções e compensações de gases de efeito estufa e de atos de comércio, de transferências, de transações e de aposentadoria de créditos certificados de redução de emissões”, que, pelo decreto, deverá ter mecanismos de integração com o mercado regulado internacional.

Também caberá aos dois ministérios elaborar regras sobre o registro, padrão de certificação, credenciamento de certificadoras e centrais de custódia e a implementação, a operacionalização e a gestão do Sinare.

Comercialização dos Créditos de Carbono

O mercado de créditos de carbono. O mercado de carbono permite a negociação tanto de créditos de carbono quanto de compensações de carbono (compensação ambiental). Isso tanto colabora para lidar com a crise ambiental quanto cria oportunidades de negócio.

Elaborar projeto, certificar e comercializar. Colocar em contato quem precisa do crédito e quem possui o crédito, um trabalho de consultoria, desenvolvimento de projeto e uma intermediação comercial específica e regulamentada oferecida por uma equipe multidisciplinar especializada.

Comercializamos de forma objetiva e clara, sem burocracia, em processo altamente confiável.

Envie sua duvida, teremos prazer em auxilia-lo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PRODUTOS